Pronto-a-vestir

Nos anos oitenta do século passado, um pronto-a-vestir numa pequena aldeia era uma atracção e eu era o filho da dona. Ainda não consigo olhar para mim como alguém que nasceu no século passado, mesmo que, em determinados momentos, a minha infância pareça ter tido lugar numa outra vida e num mundo bem mais longínquo do que os 360 km que na realidade nos separam, continuo, contudo, a ver-me como o filho da dona do pronto-a-vestir.

Sempre que me perguntavam o nome e a profissão dos meus pais – há uma idade em que nos perguntam o nome e a profissão dos pais -, lá dava os seus dados e, no caso da minha mãe, acrescentava: dona de um pronto-a-vestir. “Comerciante, não é preciso especificar”, respondiam-me amiúde. Mesmo depois de ter subido a empresária e, mais tarde, descido a reformada – e ultrapassado um pequeno período em que tive vergonha das minhas raízes -, nunca deixei de a ver e anunciar como a dona da única loja de roupa da aldeia. Ainda hoje é assim que a vejo. Como se tivesse agarrada à pele uma peça que jamais pudesse despir.

Tal como ela nunca terá deixado de olhar para mim como o seu manequim. Tempos houve em que tinha uma espécie de vida dupla: além de filho era também o seu modelo privado. Em casa de ferreiro, cabelo espetado e roupa de marca, já diz o ditado e não havia moda, gel ou laca que ela não me aplicasse. Havia, apesar de tudo, algo no qual ela não podia tocar: a roupa de desporto. No meu equipamento mandava eu. Era o meu último reduto, o espaço onde me permitia ser verdadeiramente livre. Teria sido capaz de fechar a mochila a cadeado, se preciso fosse.

Nunca foi. Tínhamos um acordo tácito que jamais esteve perto de ser quebrado. Ela podia fazer de mim o seu tubo de ensaio, eu podia equipar-me como muito bem entendesse. E por equipar-me como muito bem entendesse, entenda-se equipar-me como muito bem entendesse. Enquanto a maioria dos meus colegas procurava, por todos os meios, convencer os pais a presenteá-los com o último modelo da Adidas, Nike, Reebok ou da Le Coq Sportif, eu queria apenas jogar à bola, por mais rota que estivesse a camisola ou por mais largos que fossem os calções.

É provável que alguns questionem o porquê de trazer tão pessoal tema para estas “páginas” – além disso, acredito que a maioria estará já algo cansada destas aventuras caseiras algures entre o heroísmo e a auto-comiseração -, faço-o apenas porque o passado insiste em ter influência nos meus jogos de fim-de-semana.

Da mesma forma que, entre os oito e os dezoito anos, apresentar-me mal vestido em campo era uma forma de alimentar a rebeldia, não usar um equipamento oficial ou uma camisola com o meu nome nas costas é, hoje em dia, uma forma de manter os pés bem assentes no chão. Por mais que, aqui e ali, continue a passar-me pela cabeça ainda estar a tempo de começar uma carreira profissional, basta-me olhar as meias desemparelhadas, os calções de praia ou a t’shirt amarrotada, para me lembrar de que sou e sempre serei jogador de fim-de-semana. Ou isso ou uma enviesada desculpa de alguém que, aos 32 anos, ainda não é capaz de cuidar da sua roupa.

Sei que nada disto afecta a minha prestação em campo, pelo menos directamente, ainda assim, sinto que estará na altura de ter mais algum cuidado com a imagem, à semelhança da maioria dos meus colegas de jogo. Talvez por isso tenha recomeçado a levar um saco cheio de roupa suja sempre que vou à terra, como nos tempos de universitário. Corro o risco de, mais dia menos dia, a minha mãe não resistir à vontade de me vestir, mas já não estou tão certo de ser capaz de recusar.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

homem de vilarinho

joão ferreira oliveira

%d bloggers like this: